teletrabalho

IRB e CNPTC divulgam dados nacionais sobre teletrabalho em live

Nesta quinta (13), o Comitê de Gestão de Pessoas apresentou o Relatório do Diagnóstico Nacional do Teletrabalho nos TCs. O diagnóstico servirá de base para o início dos trabalhos de elaboração de uma proposta de diretrizes para a implementação do teletrabalho nas Cortes.

Participaram da apresentação, representando a ATRICON, o Conselheiro Cezar Miola; representando os técnicos, o assessor da Presidência da ATRICON, Leonardo Silveira; o Presidente do TCEES, Conselheiro Rodrigo Chamon; o Presidente do Comitê de Gestão de Pessoas e também como representante da Presidência do IRB, o Conselheiro Joaquim Castro Neto; e Presidentes de vários Tribunais.

Adriana Loro, auditora de Controle Externo do TCEPR e coordenadora do Comitê de Gestão de Pessoas, cerimoniou a apresentação, agradeceu a todas as pessoas que participaram do levantamento e explicou a metodologia utilizada no diagnóstico e ressaltou os indicadores detectados na pesquisa, que podem subsidiar decisões dos Presidentes de Tribunais na implantação do teletrabalho.

Assista a íntegra da Apresentação do Relatório clicando na imagem abaixo:

Acesse a transmissão clicando na imagem.
Acesse a transmissão clicando na imagem.

Em sua fala, o presidente do CNPTC e do Comitê Técnico de Gestão de Pessoas do Instituto Rui Barbosa (IRB), Joaquim de Castro, destacou que os resultados da pesquisa servirão para que os Tribunais de Contas tenham sua própria percepção para que o trabalho seja cada vez mais profícuo. “Este diagnóstico de agora será importante para a elaboração de uma proposta de uniformização do teletrabalho”.

O presidente do TCE-ES, Rodrigo Chamoun e o vice-presidente de Defesa de Direitos e Prerrogativas e Assuntos Corporativos, Cezar Miola (TCE-RS), agradeceram a todos os técnicos que se dedicaram ao projeto que obteve respostas de mais de 7 mil servidores em 32 TCs.

O auditor de Controle Externo do TCE-ES, Fábio Souza, apresenta, neste momento, os dados da pesquisa, compilados no relatório (disponível no tópico abaixo).

O Relatório Geral Nacional Consolidado de teletrabalho

O Relatório Geral nacional consolidado apresentado refere-se à Pesquisa realizada no período de 8 a 14 de março corrente, por meio do Google Forms.

A pesquisa resultou de iniciativa dos integrantes do Comitê de Gestão de Pessoas, vinculado ao IRB e coordenada  pela  Escola de Contas Públicas do Tribunal do Estado do Espírito Santo.

A pesquisa apresentou 83 perguntas, para das quais 7.555 servidores ativos e/ou com algum vínculo de trabalho com os tribunais, de um total de 20.4131, apresentaram respostas, compondo uma amostra substancial de 37% do total da população.

Trinta e dois Tribunais de Contas aderiram à iniciativa, representando 97% da totalidade das cinco regiões do País. A robustez da amostra assegura que os resultados apresentam um nível de confiança  de 99% e erro amostral de 5%, considerado  excelente  para análise de dados estatísticos. Para que pudessem ser avaliados em relação ao período de ocorrência da Pandemia da Covid–19, os resultados foram agrupados  em antes, durante e após a Pandemia.

Os dados consolidados no relatório permitem assegurar que a maioria é favorável à modalidade de teletrabalho, que segundo a Organização Internacional do  Trabalho  (OIT) “…é definido  pelo  uso  de  tecnologias  de informação  e comunicação (TIC), tais como smartphones, tablets, computadores portáteis e de secretária,(Eurofound  e  OIT,  2017),  no  trabalho  que  é  realizado  fora das instalações da entidade empregadora”.

A pesquisa ainda ponderou que, apesar de todas as vantagens e interesses apontados pelos respondentes sobre o teletrabalho, é necessário ter infraestrutura adequada, acesso a recursos tecnológicos, acompanhamento assíduo dos gestores e ampliação de oferta de capacitação na modalidade à distância. Esses são alguns indicativos apontados pelos servidores respondentes.

O levantamento também contribuiu com dados sobre as competências técnicas e gerenciais que precisam ser desenvolvidas e sinaliza o comportamento emocional do grupo de respondentes durante a pandemia.

O relatório é rico em dados sobre o objeto da pesquisa “teletrabalho”, e contribuirá para subsidiar a  elaboração de  propostas  de diretrizes para essa modalidade de trabalho. Agrademos pelo empenho na divulgação ao seu respectivo Tribunal de Contas assim como pela participação dos servidores  que responderam à pesquisa, o que permitiu alcançarmos bons resultados.

Acesse aqui a íntegra do Relatório:

Relatório Final da Pesquisa do Teletrabalho

Agradecimentos especiais aos Membros e servidores que contribuíram com esta ação 

O relatório geral nacional consolidado sobre teletrabalho foi fruto de uma congregação de esforços de Membros e servidores dos quais se registra os agradecimentos e congratulações:

Ao Presidente do Comitê: Conselheiro Joaquim Castro

À equipe de Coordenação e membros do Comitê que intermedaram os trabalhos:

  • Priscila Kelly Fernandes Pedroso Borges – TCMGO (Coordenadora do CNPTC)
  • Marcelo Rocha Coelho – TCMGO
  • Martha Godinho Marques – TCESC
  • Leticia Pinto Vinhas – TCERJ
  • Amós Chagas Jurubeba Sá – TCEPE
  • Leila Renaut da Silva – TCEMG
  • Fernanda Nunes – TCERS
  • Larissa Gomes Lourenço Cunha – TCERO
  • Carla Ledo Reis – TCEPA
  • Merisa Monteiro Mendes – TCEAM
  • Bruno Kaipper Ceratti – TCDF
  • Luana do Socorro Carvalho da Silva – TCEAP
  • Marta Regina Varallo Corte – TCEAL
  • César Gláucio Torquato Reginaldo – TCERN
  • André Anderson de Oliveira Barbosa – TCU
  • Enéias Viegas da Silva – TCEMT
  • Sabrina Caetano da Silva – TCERJ

Ao Presidente do TCE-ES que autorizou a participação de seus servidores na coordenação dos trabalhos: Presidente Conselheiro Rodrigo Chamoun.

Aos servidores do TCEES que coordenaram a metodologia da pesquisa e compilação dos resultados: Fábio Vargas Souza; Bianca Tristão Sandri; Isabela de Freitas Costa Vasconcellos Pylro.

 

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Missão

“Promover a integração, o desenvolvimento e o aperfeiçoamento dos métodos e procedimentos de controle externo, aproximando instituições e sociedade, de modo a fortalecer ações que beneficiem a coletividade”

Visão

“Ser referência no conhecimento e na promoção da qualificação e da integração dos órgãos de controle externo”

Sede do IRB
Subsede – “Endereço para correspondências”
Rolar para cima